Coluna de Ombusdman!!

Pessoal, boa tarde!

Segue o complemento da nossa pesquisa sobre a Coluna de Ombudsman. Leiam e enviem as dúvidas.
Boa Leitura!
Bianca Pedrina, Letícia Rosa e Priscila Gomes .



Ombudsman:

A palavra vem do sueco: junção de ombud (representante) e man (homem). Caio Túlio Costa, primeiro ombudsman da Folha de S. Paulo, traduziu o termo como “aquele que representa”. Quando a função foi criada em 1809, recebeu a denominação “justitieombudsman” (ombudsman de justiça).

Ombudsman no Brasil:

* Chegou aqui em 24 de setembro de 1989
* Folha de S.Paulo foi o 1o jornal a ter Ombudsman
* Organizações que representam esta função: 1) Organization of News Ombudsman (ONO) e a Associação Brasileira de Ouvidores (ABO).
* A ABO tem dois únicos jornais filiados: Folha de S. Paulo e o O Povo, do Ceará. E as rádios Bandeirantes AM (SP) e O Povo CBN AM (CE).

O dia - a - dia do Ombudsman:

Ele tem a fnção de obter direta com o leitor, criando um diálogo próximo e de fácil entendimento. Sempre averiguando se aquilo que foi escrito ou apontado como erro do jornal é verídico ou não, já com os jornalistas ele tem uma posição mais crítica direcionando erros quando necessário de uma maneira sucinta.
Pontos negativos e positivos:

Segundo Ricardo Jorge Lucena (jornalista e professor de Comunicação Social na Universidade federal do Ceará) é um cargo estável (pelo menos durante o período em que exerce esta atividade) ele pode apontar críticas fiscalizando e criando mobilizações na busca de um bom e ético jornalismo.

Curiosidades:

* As colunas de Ombudsman possuem um texto bem dinâmico ás vezes até com tom humorístico, tornando assim a relação jornal x leitor estimulante.
* Os Ombudsmen Ingleses não publicam colunas, ouvem apenas os leitores e produzem relatórios internos.
* A idéia da critica publica é norte americana.
O cargo do Ombudsman não é vitalício é a empresa que decide quem vai ocupá-lo e essa posse varia de um a dois anos.
* A TV Cultura desde o dia 23/07/2008 voltou a ter seu Ombudsman, quem ocupa o cargo é o jornalista Ernesto Rodrigues que foi contratado para avaliar a programação adulta do canal.

* Desde 11/08/2008 está como Ombudsman no site http://http://www.blogger.com/www.uol.com.br/ a jornalista Mara Gama confira!


Exemplos de coluna de ombudsman:

Nota do mundo real

A Folha está cobrindo mal a greve dos professores paulistas. Precisa ouvir mais fontes, analisar com profundidade os temas em debate, relatar com apuro a situação das escolas. Tem sido superficial, burocrática e acrítica. Tem um quê de constrangedor para a imprensa paulista que as principais revelações sobre a suspeita de corrupção do governo de São Paulo pela multinacional Alstom venham sendo feitas pelo americano "The Wall Street Journal".

A coluna de Janio de Freitas completa 25 anos na Folha. Está de parabéns o repórter, um dos melhores da história, o jornal e principalmente o leitor. Entre os grandes feitos da coluna, a revelação do escândalo da ferrovia Norte-Sul, em 1987.

Faz bem a Folha em defender a liberdade de imprensa e de expressão diante da absurda ação da Justiça Eleitoral pela entrevista com Marta Suplicy. Deve cuidar, no entanto, para não permitir que se desqualifique quem ameaça esse direito essencial à democracia por suas características pessoais, inclusive de caráter étnico. Mesmo neste caso extremo, o debate deve se ater às idéias.

Na terça-feira, dia 17, mais uma vez a edição São Paulo da Folha substituiu uma foto de autoridade do governo em que ela aparecia bem por outra, desfavorável à sua figura. Neste caso, a autoridade era o presidente Lula. Se não há razão jornalística nem gráfica para esse tipo de alteração, ela denota mera picuinha.

Carlos Eduardo Lins da Silva é o Ombudsman da Folha de S. Paulo e sua coluna é publicada aos domingos
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ombudsma/om2206200802.htm



Na última coluna publicamos e-mail do leitor Cláudio Bezerra no qual ele dizia que o Portal O POVO.com. br vinha dando guarida a anônimos para ataques grosseiros e pessoais. Leitor Davi Coelho da Costa Filho tem opinião exatamente contrária e diz que teve o seu acesso aos comentários no Portal do O POVO (O POVO on line) barrado. Indaga: "Existe democracia no Brasil? E no O POVO? Tentei fazer um novo cadastro e também o moderno sistema 'antidemocrático' do O POVO não aceita". É difícil contentar a todos, mas ajustes precisavam ser feitos. Da editora de Convergência, Marília Cordeiro, recebemos esta resposta: "O portal O POVO.com. br promoverá mudanças na ferramenta de comentários de notícias, reforçando o cadastro para quem quiser comentar e dispensando a necessidade de login e senha para o internauta que vai denunciar comentários inapropriados. O internauta interessado em comentar terá de informar mais dados, o que contribuirá para evitar falsos comentaristas sem, no entanto, atrapalhar a participação daqueles que valorizam o "Comentar esta notícia" como espaço para o debate de idéias. Para facilitar a denúncia de comentários impróprios, como os ofensivos à honra de terceiros ou preconceituosos, não será mais exigido cadastro. Todas as denúncias seguem automaticamente para a avaliação de moderador que retira ou não o comentário do ar.

Paulo Verlaine é o Ombudsman do O POVO e sua coluna é diária no jornal
http://www.opovo.com.br/opovo/colunas/ombudsman/

Jogo rápido:

1. O trabalho do Ombudsman é interessante? Por quê? Dê a sua opinião.

Atividade:

Conforme proposto na sala os grupos terão que analisar jornais ( pode ser qualquer um ) e se colocar no papel de Ombusdman, ou seja, escrever um texto analisando o jornal da maneira como o grupo achar melhor (o jornal todo, ou uma matéria, erros gramaticais, erros de edição , maneira como a matéria foi publicada , resposta de crítica do leitor) usem a criatividade de vocês , todos os grupos deverão postar neste blog este texto no prazo de uma semana conforme proposto pelo prof° Roberto.

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

RESENHA CRÍTICA

1. Conceito

Resenha Crítica é a apresentação do conteúdo de uma obra, acompanhada de uma avaliação crítica, consiste na leitura, resumo e comentário do conteúdo de um livro, de um capítulo, de um filme, de uma peça de teatro etc.

· O objetivo da resenha é divulgar objetos de consumo cultural
· Caráter efêmero
· Abordagem objetiva e subjetiva

2. Estrutura

· Título
· Síntese da Obra
· Análise Crítica
· Referências bibliográficas

3. Publicações

· Veiculado por jornais, revistas e sites
· Extensão de acordo com o disponibilizado pelo veículo

4. Quem escreve a resenha?

· Resenhista
· Crítico
· Cientista do Conhecimento

5. Requisitos para construir uma resenha

· Conhecimento completo da obra
· Competência na matéria exposta no livro
· Capacidade de juízo crítico
· Independência de juízo
· Correção e urbanidade
· Fidelidade ao pensamento do autor

6. Tese desenvolvida

. Depois de preparado pode-se analisar o conteúdo da obra de forma propriamente dita; o objetivo é traçar as principais teses do autor e não resumir a sua obra é preciso ler com muita atenção para se apreender o que é fundamental no pensamento do autor.
______________________________________________
Referências Bibliográficas:

Terra - Educação
http://paginas.terra.com.br/educacao/teletrabalho/Resenha.htm
Uol – Recanto das Letras
http://recantodasletras.uol.com.br/teorialiteraria/596099
PUC – RS
http://www.pucrs.br/gpt/resenha.php
CESNORS
http://www.cesnors.ufsm.br/projetos/textos-academicos/RESENHA%20CRITICA.doc/view

Conteúdo postado por: Aline Silva - Aline Kátia - Sâmia Gabriela
______________________________________________

ATIVIDADE:

Construir uma resenha crítica com base nas explicações anteriores, sobre o filme “ A Ilha das Flores” de Jorge Furtado.


video
______________________________________________

Resenha sobre filme “Ilha das Flores”

O curta-metragem dirigido por Jorge Furtado em 1989, é um ácido retrato da mecânica da sociedade de consumo.
Acompanhando a trajetória de um simples tomate, desde sua plantação até ser jogado fora, “Ilha das Flores” escancara o processo de geração de riqueza e as desigualdades que surgem no meio do caminho.
Isso fica claro, após tantas repetições de como o homem é dotado de inteligência e outras características físicas que o tornariam mais desenvolvidos e até mesmo superiores aos outros seres vivos do planeta Terra e de repente o telespectador se depara com uma terrível mostra de “falta de inteligência” ou humanidade.
O tomate, que inicialmente é plantado, comprado e descartado, se encontra em meio a toneladas de lixo orgânico. Restos que não foram utilizados ou que simplesmente não podiam ter sido utilizados devido a seu estado de decomposição.
Todo esse lixo é servido a porcos não dotados de inteligência e após os animais se fartarem, é então a vez de seres humanos escolherem quais restos de comida comerão para sobreviver. Sim, é um choque, um ultraje, uma aberração!
E assim, se vê na telinha a desumanidade que toma conta cada vez mais dos homens. O que levaria alguém a alimentar animais antes de alimentar mulheres, crianças, idosos? A tão desprezível “falta de riqueza” que domina o coração da sociedade em que vivemos.
No entanto, o curta de 13 minutos é excelente e não pode passar batido. Com diversos prêmios mundiais, como Urso de Prata no Festival de Berlim de 1990 e Prêmio do Público na Competição "No Budget" no Festival de Hamburgo de 1991, a produção fica por conta de profissionais como Mônica Schmiedt, Giba Assis Brasil e Nôra Gulart.
É, com todo mérito, considerado a obra máxima do neo-ultra-violentismo brasileiro. E dessa vez, nem os católicos apostólicos romanos possuidores de polegares opositores poderão dizer o contrário.

Por: Lilia, Ana Elisa, Mariana e Leonardo


"Ilha das Flores"

O Suzuki é plantador de tomates. Suzuki planta para vender para o supermercado e não para seu consumo.
Dona Anete, é revendedora de perfume que passa de casa em casa vendendo. No documentário tem a preocupação de mostrar como o perfume é feito e que suas essências são retiradas das flores. Dona Anete compra os tomates no supermercado que vieram da fazenda de Suzuki. O tomate que não é bom para fazer o molho é jogado no lixo. Esse lixo vai para A ilha das flores, que é um lixão. No lixão tem um morador que comprou uma terra para criar os porcos. A comida desses porcos vem do lixão e o que não serve de alimento para os porcos são separados, as pessoas que não tem condição entra e pega a comida que não serviu para a família de Dona Anete e nem para os porcos.
No documentário sempre lembra que as pessoas possuem um tele encéfalo altamente desenvolvido e um polegar opositor dando os nomes científicos e de onde surgiu.
A história se passa em Belo Novo é um município de Porto Alegre e seu Estado é o Rio Grande do Sul “no extremo Sul do Brasil” reproduzindo as dificuldades econômicas que é a realidade brasileira. Aponta o surgimento do capitalismo, como estava crescendo muito rápido, inclusive o capitalismo surgiu na Idade Média para a Idade Moderna, no século XIII ao XIV, na Europa.
Como o locutor fala muito rápido, ás vezes não da para entender o que esta dizendo, entretanto, ele usa a técnica de repetir algumas palavras e com isso fica gravado no tele encéfalo e consegue prender o telespectador e emocioná-lo.

Título: A Ilha das Flores
Direção: Jorge Furtado
Gênero: Documentário, Experimental.
Tempo de duração: 13 minutos
Ano de lançamento: 1989

Por: Aline Leme, Gleice, Luiz Claudio


A Ilha das Flores

Ao assistirmos o curta-metragem Ilha das Flores notamos que a pobreza, fome e a desigualdadesocial são os temas centrais.
O curta retrata com muita realidade e criatividade a exclusão social, podemos notar estacriatividade quando o narrador consegue amarrar de forma clara e didática todos os temasda narrativa. O ritmo acelerado da narrativa, fala dos tomates do Sr. Suzuki, do perfume da dona Anete, do polegar opositor, do tele-encefalo altamente desenvolvido e consegue concluir que assuntosque aparentemente destintos possuem muito em comum. Embora este curta-metragem tenha um ritmo bem acelerado, conseguimos compreender o objetivo central do tema, mas mesmo assim para termos uma noção ampla do tema, deveriamosassisti-lo mais vezes.
Entretanto, um fato muito importante e que devemos nos preocupar é que Ilha das Flores foi produzido em 1989 (19 anos atrás) e ainda hoje conseguimos relacioná-lo com os temas que mais nos preocupa: a fome, a pobreza e a exclusão social.

Título: A Ilha das Flores
Direção: Jorge Furtado
Gênero: Documentário, Experimental.
Tempo de duração: 13 minutos
Ano de lançamento: 1989

Por: Aline Silva, Andressa Freire, Leticia Iambasso e Talita Kibaiasse.



Capitalismo Selvagem
A Ilha das Flores

O filme fala sobre a trajetória do tomate e traça uma rota do que é a sociedade capitalista, na qual só quem tem dinheiro é que determina o rumo das coisas, como por exemplo, a personagem que vai ao mercado e compra tomates, ela seleciona os melhores, os que não servem para seu consumo vão para o lixo e são reaproveitados pelos porcos e os que não servem para os porcos, servem de alimento para pessoas que vivem em condições sub-humanas .
O que nos faz refletir, é que vivemos em uma sociedade, na qual o que é nada para alguns pode ser tudo para outros, apesar de termos polegares opositores e tele-encéfalo altamente desenvolvido vivemos de acordo com aquilo que o dinheiro pode nos proporcionar.

Título: A Ilha das Flores
Direção: Jorge Furtado
Gênero: Documentário, Experimental.
Tempo de duração: 13 minutos
Ano de lançamento: 1989

Por: Bianca Pedrina, Leticia Rosa, Priscila Gomes

A Ilha das Flores

Com base na trajetória de um simples tomate, o documentátrio Ilha das flores, nos carrega para uma realidade, cruel e desigual vivida no Sul do país. O curta foi feito por Jorge Furtado em 1989, escancara o consumo exacerbado vivido pela sociedade em que vivemos.O filme nos deixa claro o tempo todo de que o ser humano é dotado de inteligência, outras características físicas que ''deveriam'' torná-lo superior aos outros seres, mas tal afirmação se torna absurda quando vemos restos de comida, que são rejeitados por porcos serem disputados a tapas, por seres humanos.Um tomate que é plantado pelo sr. Suzuki, comprado e descartado duas vezes, pela Dona Anete, pelos porcos, serve de alimento a famílias famintas, que tem um curto período de tempo para ''pegar'' o que lhes resta para comer. Essas pessoas que diferentemente dos porcos possuem um tele encéfalo altamente desenvolvido e um polegar opositor, são submetidas ao que é descartado pela sociedade e pelos animais para poderem sobreviver.O curta com apenas treze minutos de duração nos dá um verdadeiro tapa na cara, nos faz pensar no rumo que essa sociedade capitalista, está tomando. Nos faz sentir como verdadeiros porcos diante do que deixamos de fazer pelo outro.Um filme, que com todo mérito, não deve passar batido, são treze minutos que nos remetem a dura e cruel realidade que enfrentamos no dias de hoje.
Filme vencedor de diversos prêmios entre eles, Urso de Prata no Festival de Berlim de 1990 e Prêmio do Público na Competição "No Budget" no Festival de Hamburgo de 1991.
Título: A Ilha das Flores
Direção: Jorge Furtado
Gênero: Documentário, Experimental.
Tempo de duração: 13 minutos
Ano de lançamento: 1989
Por: Amanda Figueiredo, Daniele Batista, Edmaura Silva

3 comentários:

Ricardo disse...

Conteúdo de qualidade tanto no blog como na sala de aula, apresentação do trabalho foi excelente a resenha crítica, compreende uma abordagem objetiva parabéns ao grupo.

Anônimo disse...

Gostei do conteúdo do blog. Ele reproduz os slides apresentados em sala e dá dicas para aprofundamento.

As resenhas do filme "Ilha das Flores" também estão boas. Os grupos souberam expor suas idéias com clareza e coerência e destacaram aspectos importantes do curta metragem.

Muito bem!

Abraço.

Roberto

Aline Leme disse...

Parabéns gostei da apresentação, como vocês usaram o slide ajuda a compreender e também o conteúdo no blog foi bom.